Seja Bem Vindo!

"Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudarão a face da Terra". provérbio africano

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Amsterdam conecta árvores à internet para reduzir poluição

O projeto TreeWiFi instalou casas de pássaros em árvores da capital holandesa, que oferecem acesso gratuito à internet quando o ar está respirável



Reprodução/Youtube

Amsterdam, capital da Holanda, está experimentando um projeto inovador, que pode trazer grandes resultados na redução de emissões poluentes no ar.

É o TreeWiFi, projeto que consiste na instalação de casinhas de pássaros, equipadas com sensores sofisticados que medem os níveis de contaminação atmosférica. Quando o ar não ultrapassa os índices máximos recomendados de poluição, a casinha se colore de verde e oferece acesso gratuito à internet sem fio. Do contrário, quando o ar fica irrespirável, a casinha fica vermelha e a conexão é interrompida (veja vídeo no fim da reportagem).

O projeto, desenvolvido por Joris Lam, produtor audiovisual holandês e dono da empresa TreeWiFi, ainda alcança determinados pontos da cidade, que tem 800 mil habitantes. Mas ele acredita que já é uma forma de criar consciência: ''se implantamos ferramentas que todo mundo pode entender como funcionam, em que as pessoas podem ver com os próprios olhos a contaminação, talvez deixemos de usar os carros, por exemplo, e poderemos observar as consequências de nossas ações'', acredita Joris Lam.

conexão de internet alcança um raio de cem metros das árvores onde estão instaladas as casinhas de pássaros. A ideia, mais à frente, é ampliar a lista de ''recompensas'' pelo controle da poluição, tais como download gratuito de música e de aplicativos e descontos no comércio da região onde estão os medidores. "Quem sabe oferecer um segundo café grátis numa cafeteria do bairro", sugere Lam, autor dessa ideia original e criativa para resolver um problema crítico do planeta.

fonte:http://www.em.com.br/app/noticia/especiais/bigideia/bigideia-noticia/2016/11/14/bigideia,823705/amsterdam-conecta-arvores-a-internet-para-reduzir-poluicao.shtml

Cidade mais verde, Inventário de arborização indica avanços e pede cuidados

Araucária: espécie nativa da reigão Sul está em risco de extinção, aponta estudo
Araucária: espécie nativa da reigão Sul está em risco de extinção, 
aponta estudo 
Foto: CR


"O Inventário nos orgulha”, disse o vice-prefeito, Antonio Feldmann na apresentação do Inventário Municipal de Arborização Urbana, realizado na terça 22. Elaborado pela empresa Legalize Assessoria Ambiental, o levantamento inédito demandou um investimento na ordem de R$ 600 mil. Ele integra o Plano Municipal da Mata Atlântica (PMMA), que visa desenvolver ações de preservação do bioma.
Dividido em duas linhas de ação, o censo arbóreo analisou as áreas verdes e as vias e canteiros públicos do município. Considerado um instrumento fundamental para a gestão ambiental, deve provocar uma mudança a ser sentida num prazo de 20 anos.
Em relação às áreas verdes, foram realizados laudos de cobertura vegetal de 589 áreas verdes. Dessas, 45 são consideradas prioritárias para a conservação da Mata Atlântica. O que chama atenção, positivamente, em Caxias, é que o Índice de Área Verde (IAV) é de 14,22m²/habitante. Um recorde, se remetido à média nacional e do mínimo indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 12m² por pessoa.
Já nas vias e canteiros públicos, o estudo visa fundamentar o plano de trabalho da equipe de Parques, Praças e Jardins (PPJ), da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semma). O levantamento permite conhecer a espécie, seu porte, bem como seu estado fitossanitário e os “conflitos com equipamentos públicos”.
Responsável técnica do projeto, a bióloga Vanise Sebben, comenta os resultados levantados. “O Plano da Mata Atlântica está pronto para a fase de implementação. As ações sairão do papel e irão para a prática, de forma planejada, já que temos agora as informações que eram indispensáveis para realizarmos um trabalho técnico responsável”.
Resultado de imagem para Corticeira-da-Serra – Erythrina falcata
Corticeira-da-Serra – Erythrina falcata
O mapeamento apontou a presença de 463.982 árvores em áreas verdes, num total de 593ha de extensão urbana florestada. Em 147 desses locais, no entanto, 51% das espécies encontradas são exóticas.
De acordo com o secretário do Meio Ambiente, Adivandro Rech, o Inventário servirá para a criação do Plano de Arborização Urbana. “De posse destas informações, que são cruciais para o gestor ser capaz de planejar e de direcionar esforços, tenho certeza que ações mais efetivas na melhoria dos serviços ambientais de nossa cidade serão possíveis. Além, também, de ser um passo a mais na transparência de dados, já que qualquer cidadão pode acessar informações”, aponta.
Com relação às vias públicas e canteiros urbanos, foram inventariadas 64.122 plantas. Dessas, 35.713 são exóticas e a mais comum dentre elas é o Ligustrum lucidum, popular ligustro, com 5.626 unidades. Outras 25.888 são nativas do RS. Foram listados 3.988 espécimes de pitangueira, cujo nome científico é Eugenia uniflora.  
A contagem deflagrou, ainda, que 55.829 desses indivíduos arbóreos das vias públicas apresentam algum tipo de conflito com equipamento público. A maior parte, 9.351 plantas têm contato com a fiação elétrica.
Já reparou a diversidade de árvores que existe na rua? O estudo mostra um dado preocupante: a biodiversidade das espécies arbóreas é baixa. Numa escala de zero a 1, no Coeficiente de Mistura de Jentsch QM, Caxias chega aos 0,006. Com o mapeamento pronto, as equipes da Semma irão iniciar um trabalho minucioso para aumentar a biodiversidade e cuidar da arborização já existente.
“A gente sempre diz que Caxias se caracteriza pela sua identidade étnica e cultural e agora também ambiental. Devemos ampliar o horizonte para que as pessoas tenham acesso a isso. Pode ser como fonte de pesquisa, de ações, de atividade da rede de ensino da cidade. A comunidade deve ter acesso para que possa aprimorar este estudo”, concluiu Feldmann.

Apontamentos do Inventário
Áreas verdes: 589, sendo 45 prioritárias – 593 hectares
Indivíduos arbóreos: 463.982 – 647 espécies (498 nativas, 151 exóticas e 18 ameaçadas de extinção)
Índice de arborização: 14,22m²/hab
Árvores em canteiros ou vias públicas: 64.122
Nativas: 25.888 – a mais comum é a pitangueira
Exóticas: 35.713 – a mais comum é o ligustro

55.829 árvores em conflito
Passeio: 30.306
Fiação: 9.351
Pista: 3.725
Prox. esquina: 3.100
Com outra árvore: 2.654
Edificação: 2.293
Prox. boca de lobo/hidrante: 1.881
Rede elétrica ou iluminação: 1.660
Placas de sinalização: 769
Semáforo: 52

Em risco de extinção
Xaxim – Dicksonia sellowiana
Araucária – Araucaria angustifolia
Figueira – Ficus cestrifolia
Cabreúva – Myrocarpus frondosus
Corticeira-da-Serra – Erythrina falcata
Fonte: Secretaria Municipal do Meio Ambiente
Redação Jornal Correio Riograndense

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Piquenique Rural vai unir lazer e gastronomia na zona Sul de Porto Alegre

05/12/2016 

Foto: Laís Webber/Inverno Studio/Divulgação PMPA
Primeiras quatro propriedades são todas no bairro Lami Primeiras quatro propriedades são todas no bairro Lami
Piquenique Rural é a nova atração que empreendedores da rota turística Caminhos Rurais passam a oferecer a partir deste mês, em um programa destinado a unir momentos de lazer em meio à natureza com a gastronomia local. Os piqueniques terão edições mensais, em que pequenas propriedades da zona Sul da Capital, com características nativas e produtivas diversificadas, servirão aos visitantes cestas de piquenique com especiarias cultivadas e produzidas nos próprios sítios. 
 
O primeiro Piquenique Rural será no próximo sábado, 17, oferecido pelo Sítio Reencontro, a partir das 18h. A programação, organizada pela Associação Porto Alegre Rural, vai até maio do ano que vem, envolvendo quatro pequenas propriedades, todas do bairro Lami, de forte vocação agroecológica. A oferta de opções em turismo rural na Capital conta com o apoio da Secretaria Municipal de Turismo (SMTur).
 
Em cada edição, os visitantes receberão uma cesta, que serve duas pessoas, composta por suco, água aromatizada, sanduíche, bolo, frutas da estação, pão, pasta salgada, geleia, entre outras delícias, todas produzidas nas propriedades. Uma das premissas para os empreendedores rurais participarem da atração é que, no mínimo, 70% dos produtos oferecidos no kit sejam orgânicos.
 
Cada propriedade rural oferecerá uma quantidade limitada de cestas, conforme a sua capacidade. O custo será de R$ 50 por cesta. A reserva deverá ser feita antecipadamente e diretamente com a propriedade. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail caminhosrurais@gmail.com

Confira o calendário:
17/12/2016 – Sítio Reencontro, às 18h. Telefone (51) 98 541- 0373
19/02/2017 – Sítio Reencontro, às 13h. Telefone (51) 98 541- 0373
23/03/2017 – Sítio Capororoca, às 13h. Telefone (51) 99 548- 4007
21/04/2017 – Pousada Rural Haras Cambará, às 13h. Telefone (51) 98 106 – 2676

21/05/2017 – Granja Lia, às 13h. Telefone (51) 99 997 – 8530. 

Ora-Pro-Nobis, uma planta com múltiplas funções. Você conhece?

Usada como cerca viva, ornamentação, pasto apícola e alimento, a hortaliça se desenvolve em vários tipos de solo e é pouco explorada comercialmente.

por Texto João Mathias
Consultores Mauro R. Madeira e Georgeton S. R. Silveira*




Onde se planta, nasce. Quando cresce, serve de proteção e alimento. Repleta de flores, ainda deixa o ambiente mais bonito. Por meio da hortaliça ora-pro-nóbis (Pereskia aculeata), a natureza oferece múltiplos benefícios ao ser humano, o que seria motivo suficiente para a escolha de seu nome popular. Mas, conta-se que assim foi batizada pelo costume de ser colhida no quintal de uma igreja, para ser preparada para o almoço, quando o padre iniciava a reza final da missa da manhã.



"Rogai por nós" em português, ora-pro-nóbis é uma frase em latim nem sempre facilmente assimilada. Por isso, pode ser comum encontrar derivações dela, sendo por vezes chamada lobrobó ou orabrobó por agricultores de Minas Gerais, onde a planta é muito difundida na culinária local. Originária do continente americano, encontram-se variedades nativas dessa hortaliça perene, rústica e resistente à seca da Flórida, nos Estados Unidos, à região sudeste do Brasil. De fácil manejo e adaptação a diferentes climas e tipos de solo, produtiva e nutritiva, a ora-pro-nóbis é uma boa alternativa para produtores iniciantes no cultivo de hortaliças.

Também temos Mudas: agropanerai@gmail.com

Ela pertence à família das cactáceas. Na idade adulta, sua estrutura em forma de arbusto torna-se uma excelente cerca viva, tanto para ser usada como quebra-vento quanto como barreira contra predadores. A existência de espinhos pontiagudos nos ramos inibe o avanço de invasores.

Rústica, a espécie pode ser cultivada em diversos tipos de solos


Perfumadas, pequenas, brancas com miolo alaranjado e ricas em pólen e néctar, as flores brotam na ora-pro-nóbis de janeiro a abril. De junho a julho, ocorre a produção de frutos em bagas amarelas e redondas. A generosa e bela floração é um ornamento ao ambiente, ideal para decoração natural de propriedades rurais, como chácaras, sítios e fazendas. A ora-pro-nóbis também pode ser plantada em quintais e jardins de residências. As folhas são a parte comestível da planta. Secas e moídas, elas são usadas em diferentes receitas, especialmente em sopas, omeletes, tortas e refogados. Muita gente prefere consumir as folhas cruas em saladas, acompanhando o prato principal. Outros as usam como mistura para enriquecer farinha, massas e pães em geral. Galinha caipira com ora-pro-nóbis é prato tradicional da culinária mineira. É servido cotidianamente nas cidades históricas do estado, como Diamantina, Tiradentes, São João Del Rey e Sabará, onde anualmente há um festival da hortaliça.


In natura ou misturada na ração, animais também aproveitam os benefícios das folhas da ora-pro-nóbis. Elas estão entre as que possuem maior teor de proteína, com algumas variedades chegando a mais de 25% da matéria seca. Na medicina popular, elas são indicadas para aliviar processos inflamatórios e na recuperação da pele em casos de queimadura.

--------------------------------------------------------------------------------
RAIO-X


>>> SOLO: qualquer tipo

>>> CLIMA: tropical e subtropical

>>> ÁREA MÍNIMA: pode ser plantada em jardins e quintais

>>> COLHEITA: a partir de 3 meses após o plantio

>>> CUSTO: órgãos de extensão rural do município podem fornecer estacas

MÃOS À OBRA

>>> INÍCIO A variedade mais indicada para cultivo com fins comerciais é a que produz flores brancas. Elas podem ser fornecidas por órgãos de extensão rural ou em feiras de produtores.

>>> PLANTIO Sua rusticidade permite que seja cultivada em diversos tipos de solo, inclusive não exige que eles sejam férteis. A ora-pro-nóbis também se desenvolve em ambientes com incidência de sol ou meia--sombra. Inicie o plantio no começo do período das chuvas. A hortaliça é resistente à seca, mas o acesso à água nessa fase do cultivo estimula o crescimento dos ramos.

>>> PROPAGAÇÃO A ora-pro-nóbis é propagada por meio de estacas. Para conseguir melhor pegamento das mudas, use a região localizada entre as partes mais tenras e as mais lenhosas da haste. Corte cada estaca com 20 centímetros de comprimento e enterre um terço dele em substrato composto por uma parte de terra de subsolo e outra de esterco curtido. Após o enraizamento, transplante as mudas para o local definitivo.

>>> ESPAÇAMENTO Varia de acordo com a finalidade do cultivo. A ora-

-pro-nóbis pode ser usada como cerca viva, ornamentação e para consumo das folhas. Se a prioridade for o alimento, pode-se adensar o espaçamento, deixando de 1 a 1,30 metro entre fileiras e de 40 a 60 centímetros entre plantas. Mas as folhas podem ser consumidas em qualquer caso, mesmo se a destinação tiver fins ornamentais ou a construção de cerca viva.

>>> CUIDADOS Embora seja pouco exigente em adubações, mantenha bom nível de matéria orgânica no solo para um pleno desenvolvimento das plantas e boa produção de folhas. Faça manutenção a cada dois meses e execute podas dos ramos a cada 75 a 90 dias na estação chuvosa e a cada 90 a 100 dias na estação seca, quando a planta deve ser irrigada.

>>> PRODUÇÃO A partir de três meses após o plantio, pode ser iniciada a colheita das folhas da ora-pro--nóbis - após a poda dos galhos. As folhas devem apresentar de 7 a 10 centímetros de comprimento. Coloque luvas para a hora da coleta, a fim de evitar ferimentos pelos espinhos. Em geral, cada corte rende entre 2.500 e 5.000 quilos de folhas por hectare, variação que ocorre de acordo com a condução e a época de desenvolvimento da cultura.


*Nuno R. Madeira é pesquisador da Embrapa Hortaliças, BR-060, Km 09, Caixa Postal 218, CEP 70359-970, Brasília, DF, tel. (61) 3385-9000, sac@cnph.embrapa.br; e Georgeton S. R. Silveira é extensionista da Emater-MG (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais), Rua Raja Gabaglia, 1626, Gutierrez, CEP 30441-194, Belo Horizonte, MG, tel. (31) 3349-8000, portal@emater.mg.gov.br

Onde adquirir mudas: órgãos de extensão rural do município ou feiras de produtores podem fornecer estacas.

Também temos Mudas: agropanerai@gmail.com

Mais informações: o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a Emater-MG e a Embrapa Hortaliças estão lançando o Manual de hortaliças não convencionais; informações sobre a edição podem ser obtidas na Emater-MG, portal@emater.mg.gov.br ou pelo telefone (31) 3349-8000

FONTE: http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI160017-18293,00-ORAPRONOBIS.html

Fí­cus ata­ca­dos por pra­ga em BH con­ti­nuam a se de­gra­dar e já representam ameaça

Fonte: jornal estado de Minas

Depois do surto da praga, a prefeitura quer revitalizar as vias, eliminando os troncos das árvores mortas. Mas o Movimento Fica Fícus propõe que eles se transformem em galeria a céu aberto, como esculturas

 postado em 08/06/2016 06:00 / atualizado em 08/06/2016 10:41
Leandro Couri/EM/DA Press

As fo­lhas in­sis­tem em bro­tar em al­guns ga­lhos re­tor­ci­dos do cor­re­dor de ár­vo­res, ou­tro­ra fron­do­sas, das ave­ni­das Ber­nar­do Mon­tei­ro, na Re­gi­ão Hos­pi­ta­lar, e Bar­ba­ce­na, no Bar­ro Pre­to, Cen­tro-Sul de Be­lo Ho­ri­zon­te, dan­do a ideia, a quem pas­sa por ali, de uma vi­da que resiste em se esvair. Qua­se qua­tro anos de­pois da iden­ti­fi­ca­ção dos pri­mei­ros fo­cos da mos­ca bran­ca do fí­cus (Sin­ghi­e­lla sp.), o fu­tu­ro das ár­vo­res ani­qui­la­das pe­la pra­ga con­ti­nua sem de­fi­ni­ção, à es­pe­ra de um edi­tal de re­vi­ta­li­za­ção pro­me­ti­do pe­la pri­mei­ra vez pa­ra mar­ço de 2014, pro­mes­sa rei­te­ra­da pa­ra 2016. Enquanto isso, nos úl­ti­mos dois anos au­men­tou em 10% o nú­me­ro de ga­lhos mortos. Pas­sa­ram de 29 pa­ra 39, de um to­tal de 101 ini­ci­al­men­te exis­ten­te nos três pon­tos crí­ti­cos da ca­pi­tal, que in­clu­em ain­da a pra­ça da Igre­ja da Boa Viagem.

Os pri­mei­ros si­nais da mos­ca-bran­ca- do-fí­cus fo­ram de­tec­ta­dos nas ár­vo­res de BH em ju­lho de 2012. A pra­ga cau­sa res­se­ca­men­tos de ga­lhos e ra­mos, além de com­pro­me­ti­men­to se­ve­ro dos es­ta­dos fi­tos­sa­ni­tá­rio e ve­ge­ta­ti­vo das ár­vo­res ata­ca­das, pois su­ga a sei­va e re­ti­ra nu­tri­en­tes das plan­tas, in­je­tan­do to­xi­nas que pro­vo­cam des­fo­lha­men­to intenso. Co­mo re­la­ta a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Meio Am­bi­en­te, a prin­cí­pio a ár­vo­re re­bro­ta, ten­tan­do uma re­a­ção, mas, com o tem­po, aca­ba por se exaurir. É quan­do os ra­mos se­cam e a plan­ta morre.

De acor­do com a se­cre­ta­ria, dos 51 fí­cus da Ber­nar­do Mon­tei­ro, 20 já es­tão mortos. Na Ave­ni­da Bar­ba­ce­na, são 17 de um to­tal de 44 e, dos seis da pra­ça da Boa Vi­a­gem, dois es­tão condenados. No fim de 2013, es­ses nú­me­ros eram, res­pec­ti­va­men­te, 17, 11 e um. No do­cu­men­to que pre­vê as di­re­tri­zes de re­vi­ta­li­za­ção, a se­cre­ta­ria afir­ma que, em­bo­ra con­ti­nue com o acom­pa­nha­men­to cons­tan­te da si­tu­a­ção das ár­vo­res, o con­tro­le do in­se­to foi sus­pen­so, já que não têm sido mais ve­ri­fi­ca­do sur­tos populacionais. O tex­to ad­mi­te que não se po­de as­se­gu­rar, no en­tan­to, que os tron­cos vol­ta­rão “ao seu ple­no de­sen­vol­vi­men­to ve­ge­ta­ti­vo, es­pe­ci­al­men­te por­que al­gu­mas já se en­con­tram to­tal­men­te se­cas e vá­ri­as se en­con­tram em rá­pi­do de­clí­nio de es­ta­do fi­tos­sa­ni­tá­rio”.

Leandro Couri/EM/DA Press
BA­TA­LHA Fo­ram vá­ri­as as ten­ta­ti­vas de com­ba­te à mos­ca-bran­ca, que ain­da es­tá pre­sen­te nas plan­tas da cidade. A pri­mei­ra ten­ta­ti­va foi a bor­ri­fa­ção dos fí­cus com o in­se­ti­ci­da bo­tâ­ni­co óleo de nim e dos fun­gos Me­ta­rhi­zium ani­so­pli­ae e Beau­ve­ria bas­si­a­na. O óleo na­tu­ral, em­bo­ra não pro­vo­que di­re­ta­men­te a mor­ta­li­da­de do in­se­to, ini­be a sua ali­men­ta­ção, in­ter­rom­pe o cres­ci­men­to e ge­ra es­te­ri­li­da­de, en­tre ou­tros efeitos. Já os fun­gos atu­am co­mo cau­sa­do­res de do­en­ças nas mos­cas, des­tru­in­do seus te­ci­dos in­ter­nos e ma­tan­do-as. Tam­bém fo­ram usa­das ar­ma­di­lhas pa­ra a cap­tu­ra e di­mi­nui­ção das po­pu­la­çõ­es, com ade­si­vos ama­re­los pre­sos ao tron­co dos fícus. A cor atrai a pra­ga, que fi­ca pre­sa e morre.

A se­cre­ta­ria ad­mi­te que as ár­vo­res con­ti­nu­am em pro­ces­so de de­gra­da­ção e têm, ho­je, es­ta­do fi­tos­sa­ni­tá­rio con­si­de­ra­do bas­tan­te ruim. Acres­cen­ta que elas con­ti­nu­am a ser ro­ti­nei­ra­men­te mo­ni­to­ra­das, pa­ra ve­ri­fi­car o sur­gi­men­to de no­vos ga­lhos se­cos que te­nham ris­co de que­da e pa­ra de­ter­mi­nar no­vas es­tra­té­gi­as a se­rem usadas. Do­cu­men­to da pas­ta re­la­ta com­pro­me­ti­men­to de tron­cos, que pas­sa­ram a apre­sen­tar trin­cas ver­ti­cais, re­que­ren­do in­ter­ven­çõ­es se­ve­ras pa­ra eli­mi­nar ris­cos de queda. Por is­so, a pre­fei­tu­ra con­si­de­ra que há im­pas­se pa­ra uso pú­bli­co des­sas vi­as, com pre­juí­zos in­clu­si­ve paisagísticos. Nos pró­xi­mos di­as, a ex­pec­ta­ti­va é con­cluir a re­ti­ra­da de ga­lhos se­cos das três áre­as afetadas.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Avaliação de Riscos em Árvores - Ênfase na análise visual com Mark Duntemann

Mark Duntemann - Engenheiro Florestal,Consultor e Perito em Riscos em Arborização Urbana, Natural Path Urban Forestry Consultants, USA.

Excelente mini curso ministrado pelo Mark, no XX CBAU em BH, com dicas e procedimentos para avaliação de árvores. Teoria e prática ajustadas, proporcionando um crescimento profissional.
Abaixo um folder para leitura.

alexandre panerai









Ora-pro-nobis: uma santa erva






Ora-pro-nobis (Pereskia aculeata) é uma cactácea, um cacto-trepadeira com ramos repletos de espinhos e folhas suculentas e comestíveis, cuja forma lembra a ponta de uma lança.
Seu consumo é muito disseminado em Minas Gerais, principalmente nas antigas regiões mineradoras e cidades históricas, onde a combinação mais conhecida é o frango com ora-pro-nobis. A tradição mineira diz que essa planta era colhida às escondidas, nos fundos de uma igreja, enquanto o padre rezava a ladainha do orapronobis, do latim "rogai por nós", o que explica seu nome popular.
Conhecido como “carne de pobre”, as folhas do ora-pro-nobis desidratadas contêm 25,4% de proteína (das quais 85% acham-se em forma digerível). É um valor muito alto, mesmo se comparando com vegetais mais famosos, como o espinafre, que tem um teor de 2,2% de proteínas. Além disso, possui vitaminas A, B e C e minerais como cálcio, fósforo e principalmente ferro, que ajuda a combater anemias.
O ora-pro-nobis também é muito rico em lisina, um aminoácido essencial - assim denominado porque o organismo não o produz. Esta substância é importante para a formação dos ossos graças à sua capacidade de aumentar a absorção intestinal de cálcio.
A lisina tem papel fundamental na produção de anticorpos, hormônios e enzimas, na formação do colágeno e das fibras musculares e na regeneração dos tecidos. Sua falta pode causar anemia, dificuldade de concentração, retardo no crescimento, diminuição do apetite e perda de peso, entre outros distúrbios.



RECEITA MINEIRA DE FRANGO COM ORA-PRO-NOBIS
INGREDIENTES• Ingredientes
• 1 frango limpo, cortado e temperado
• 1/4 de xícara de azeite
• 1 tablete de caldo de galinha (preferência caipira)
• 2 dentes de alho picados em pequenos pedaços
• 2 cebolas cortadas em pedaços médios
• 1 pedaço de pimentão vermelho (preferência) picado
• Suco de 1/2 limão pequeno
• Algumas pitadas de molho inglês
• 30 folhas de ora-pro-nóbis (aproximadamente)
• Sal a gosto
MODO DE PREPARO1. Junte, em uma panela o azeite, o suco de 1/2 limão e os pedaços de frango
2. Mexa em fogo médio até que o frango comece a dourar
3. Acrescente os dentes de alho picadinhos e mexa por mais alguns minutos
4. após dourar levemente os pedaços de frango, retire o excesso de gordura da panela
5. Acrescente as cebolas e o pimentão, misturando-os aos pedaços de frango
6. Junte algumas pitadas de molho inglês e o caldo de galinha e 1 xícara de água quente
7. Acrescente água quente, aos poucos, em pequenas quantidades, até que o frango cozinhe (assim o caldo ficará mais grosso e saboroso)
8. Prove o caldo e acrescente sal, caso julgue necessário
9. Após o frango cozido, espalhe as folhas de ora-pro-nobis por cima do frango, sem mexer ou misturar, de maneira a cobrir caldo de folhas
10. Tampe bem a panela e deixe cozinhar em fogo baixo por mais ou menos 3 minutos
11. Sirva com arroz branco, feijão batido e angu
Fonte: site Tudo Gostoso - http://tudogostoso.uol.com.br/

sábado, 3 de dezembro de 2016

Viver em cidades arborizadas beneficia o cérebro

Imbuia: planta, provedora de sombra, foi incluída na lista de espécies ameaçadas no Brasil | Foto: Zig Koch/Divulgação/CR

Sólidas e serenas, vivas e vibrantes. As árvores produzem nas pessoas um efeito calmante e positivo. Mas viver perto desses gigantes verdes gera impacto muito concreto na saúde, especialmente nos habitantes das cidades, segundo novo estudo, divulgado pela BBC Mundo. E as consequências vão desde mudar a qualidade e a temperatura do ar a influir no funcionamento do cérebro.
O estudo destacou três efeitos saudáveis no corpo humanos ao se viver perto das árvores. O primeiro deles é a redução da matéria particulada, um dos piores tipos de contaminação.
Uma árvore reduz a chamada matéria particulada ao seu redor de 7% e 24%, segundo um estudo publicado recentemente pela The Nature Conservancy (TNC), organização não-governamental que trabalha em escala global para a conservação da biodiversidade. Sediada nos Estados Unidos, tem atuação em 69 países. A investigação avaliou o impacto das árvores em 245 cidades ao redor do mundo.
O contaminante material particulado pode ser classificado em dois tipos. O mais grosso tem 10 ou menos micrômetros (um micrômetro é a milésima parte de um milímetro) de diâmetro, ou PM 10, e resulta do pó da construção e das ruas, entre outras fontes. Mas o tipo mais prejudicial de material particulado é chamado PM 2,5. Ele tem diâmetro de 2,5 ou menos micrômetros e resulta da queima de combustíveis fósseis e madeira, entre outras fontes.
Essas partículas finas em suspensão podem penetrar profundamente nos pulmões e estima-se que causem 3,2 milhões de mortes por ano mundialmente, segundo o estudo. O material PM 2,5 está associado a um risco maior de acidentes vasculares cerebrais, problemas cardíacos e enfermidades respiratórias como a asma.
Trata-se de um problema verdadeiramente global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, neste ano, que cerca de 90% da população ao redor do planeta, que vivia em centros urbanos em 2014, foi exposta a níveis de material particulado que excederam as recomendações da organização.
O estudo publicado pela TNC destaca que, em ruas com muito tráfego, as árvores devem ser plantadas de maneira espaçada, para impedir que as copas reduzam a circulação de ar.
Graus - O segundo grande efeito é a redução da temperatura em até 2 graus centígrados. O impacto das árvores na temperatura é crucial, dado que as ondas de calor matam cerca de 12 mil pessoas por ano e dificultam a vida de milhões. “A mudança climática fará com que o impacto dessas ondas de calor nas cidades seja ainda mais severo”, afirma o documento.
A OMS estima que as mortes anuais por ondas de calor nas cidades podem chegar a 260 mil pessoas (leia-se 2015), a menos que os centros urbanos tomem medidas para se adaptar às novas condições.
“Muitos estudos científicos demonstraram que a sombra das árvores, além da transpiração durante a fotossíntese, contribuem para reduzir a temperatura do ar e consequentemente o consumo de eletricidade para ar condicionado”, afirma a investigação da organização não-governamental.
Espírito - O terceiro efeito positivo é o bem-estar psicológico. “Não posso cuidar da minha saúde e do meu espírito a menos que passe ao menos quatro horas por dia na floresta, totalmente livre de compromissos mundanos”, escreveu no século XIX o americano Henry David Thoreau em seu livro clássico Walden, que relata sua experiência de viver dois anos em uma cabana construída por ele mesmo às margens do lago do mesmo nome, em Massachusetts.
Um estudo já conhecido, liderado pelo psicólogo ambiental Roger Ulrich na década de 1980, comparou pacientes de um hospital da Pensilvânia que haviam sido operados da vesícula. Aqueles que estavam em quartos com vista para árvores se recuperaram mais rapidamente que aqueles que estavam em quartos com janelas voltadas para edifícios.
Cérebro - E um estudo recente de Gregory Bratman, da Universidade Stanford, na Califórnia, mediu o impacto no cérebro de caminhar durante 90 minutos na natureza. Um grupo que caminhou em meio a árvores foi comparado com outro que andou em uma rua com muito tráfego. As pessoas que andaram na rua tiveram um aumento da atividade de ‘ruminar’ criticamente sobre si mesmo ou sobre eventos do passado - padrão negativo de pensamento vinculado à depressão.
Aqueles que caminharam entre as árvores tiveram menos tendência de ruminar pensamentos. O estudo também incluiu análise por ressonância magnética do cérebro dos participantes e constatou que os que caminharam na natureza mostraram uma atividade menor na região do cérebro associada à autocrítica e ao isolamento social comum de quem ‘rumina em excesso’.
A importância das árvores nas cidades não pode ser subestimada. Ainda mais levando em conta que atualmente 54% da população mundial é urbana e que essa porcentagem chegará a 66% em 2050, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU). “Em muitas cidades o departamento de saúde está de um lado e as árvores do outro”, observa Rob Mc Donald, um dos autores do estudo publicado pela TNC.
“Uma das metas do nosso estudo é recordar às cidades que esses dois departamentos devem colaborar. “Se isso acontecer, minha esperança é que veremos um renascimento das plantações de árvores em centros urbanos”, conclui Mc Donald.
Redação Jornal Correio Riograndense

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

No jardim ou no vaso, aprenda a cultivar jabuticabeira em casa.









De casca  brilhante, fina e coloração que vai do roxo claro ao escuro -quase preto- os frutos da jabuticabeira são bem mais saborosos do que podem aparentar. As “bolinhas” de um a três centímetros de diâmetro têm polpa branca e suculenta; são consumidas geralmente in natura, mas com elas também são preparados sucos, licores, aguardentes e doces.

Por causa do crescimento lento, a primeira frutificação da planta pode levar alguns anos, mas a espera compensa. A beleza dos frutos, ramos e folhas, e a luminosidade interna na copa fazem da jabuticabeira uma árvore bastante ornamental, além de pouco exigente no cultivo. De acordo com a paisagista Christiane Ribeiro, o diferencial da frutífera é a beleza de suas flores e frutinhas, que se formam nos troncos; fator característico das espécies caulifloras.

Cultivada em todo o Brasil, a jabuticabeira é popular e pertence à família Myrtaceae. O pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), José Antonio Alberto da Silva, destaca entre as variedades a espécie Myrciaria jaboticaba, conhecida como sabará, além da Myrciaria cauliflora, popularmente jabuticaba paulista, assu ou ponhema. “É uma planta de origem subtropical que se adapta bem a regiões tropicais, além de tolerar geadas”, explica.



NO JARDIM

A jabuticabeira pode ser cultivada em jardins, quintais, pomares comerciais e como planta ornamental, em vasos.
Como as mudas produzidas por meio de sementes normalmente frutificam somente após o décimo ano, o pesquisador José Antonio Alberto da Silva, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), indica o uso de plantas enxertadas, compradas em viveiros de boa procedência.
A paisagista Christiane Ribeiro recomenda plantar junto à jabuticabeira, outras frutíferas, árvores floríferas e áreas gramadas. Além disso, como as árvores costumam chegar a dez metros de altura, é preciso um planejamento de espaço. Mantenha uma distância de seis metros entre as espécies. Escolha um local ensolarado para o cultivo e faça a(s) cova(s) com as medidas 60 x 60 x 60 cm. “Se a planta estiver em local sombreado, ocorre secamento de ramos e redução na produção”, diz Silva.

NO VASO
Segundo a paisagista Christiane Ribeiro, a planta se desenvolve bem em vasos, sendo uma ótima opção para pequenos espaços como varandas. Por se tratar de condições adaptadas de solo, o cultivo isolado requer cuidados principalmente de irrigação e adubação.
Escolha um recipiente com no mínimo 50 cm de boca e 50 cm de altura. Embora não tenha raízes profundas, o ideal é que estejam acomodadas em suportes grandes com um bom volume de terra para se desenvolverem mais adequadamente.

Para que não haja acúmulo de água e consequente apodrecimento das raízes, aconselha-se a criação de um dreno na base do vaso. Para isso, faça um furo no fundo do recipiente com dois centímetros de diâmetro. Depois, coloque uma camada de cinco centímetros de argila expandida ou pedra britada, sem tampar o orifício. Por fim, cubra com um pedaço de manta acrílica, seguida por uma camada de cinco centímetros de areia grossa. Sobre essa base, é só completar o vaso com a terra preparada e plantar a muda.

O pesquisador José Antonio Alberto da Silva, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) indica para o cultivo em vasos as plantas chamadas de jabuticabeira híbrida: elas já produzem frutos graúdos e doces a partir do quarto ano, além de apresentar várias floradas a cada doze meses.

PREPARO DO SOLO
Para o preparo do solo pré-plantio em casa, misture:
- 60 litros de terra (se for muito argilosa, coloque 40 litros de terra e 20 litros de areia grossa);
- 40 litros de esterco curtido ou composto orgânico;
- 200 gramas do adubo químico superfosfato simples;
- 200 gramas de calcário;
Siga a proporção de três partes de terra para duas partes de esterco ou composto orgânico. Em caso de plantio direto no solo, misture à terra que retirar para a cova as mesmas quantidades de esterco, adubo químico e calcário.


Minhocas Californianas – especiais para compostagem doméstica

Post minhocas californanas
As minhocas californianas, apesar do nome, têm origem Europeia. No meio acadêmico são conhecidas como Eisenia fetida que faz menção ao seu gênero (Eisenia) e à espécie (fetida). Este espécie se diferencia de outras muito parecidas por apresentarem listras transversais bem evidentes ao longo do corpo e por isso também  lhes  são atribuídas o vulgo “Minhocas listradas”.
Minhocas Californianas
Minhocas Californianas
As minhocas californianas são reconhecidas mundialmente por contribuírem de forma muito eficaz no processo de compostagem doméstica. Com sutileza e velocidade elas transformam os resíduos orgânicos em um excelente adubo para todos os tipos de plantas. Este adubo é chamado de húmus de minhoca e é considerado um dos melhores condicionadores de solos, atuando na melhoria das características físicas, químicas e biológicas do solo.
húmus de minhoca
húmus de minhoca
A utilização das minhocas californianas na compostagem doméstica tem gerado um benefício enorme atualmente. Isso porque ao invés de enviar os resíduos orgânicos aos aterros sanitários ou lixões gerando líquidos e gases que poluem o meio ambiente, muitas famílias em diversas partes do mundo fazem a compostagem com minhocário proporcionando a destinação adequada aos resíduos orgânicos. No minhocário coloca-se os resíduos orgânicos junto com serragem e em mais ou menos 30 dias já está pronto o composto.
Simples compostagem com Minhocário Caseiro
Minhocário Caseiro – Simples Compostagem
Podendo ingerir uma quantidade de alimentos em média 25 a 35% do próprio peso diariamente, as minhocas californianas se alimentam durante grande parte do tempo. Além disso, podem dobrar a população num período entre dois e três meses em condições ótimas. As minhocas são hermafroditas possuindo os dois sexos em cada indivíduo. Algumas semanas após a cópula serão formados casulos onde as proles serão desenvolvidas. Estes são depositados no solo e irão gerar de três a sete minhoquinhas cada casulo.
Casulo de minhoca
Casulo de minhoca californiana. Fonte: heidi & hans – jurgen koch
Este tipo de minhoca é descrita como epígea, ou seja, minhocas cuja a sobrevivência se dá nas camadas superficiais do solo. Neste ambiente, ela pode encontrar a matéria orgânica em abundância para se alimentar.

Minhocas epígeas vivem em áreas superficiais do solo
Um fato que pouca gente sabe é que o naturalista Charles Darwin, mais conhecido por sua teoria evolutiva da seleção natural, publicou, em 1881, um livro sobre como as minhocas atuam na formação do húmus!
"A formação de húmus através das ações das minhocas. Com observações de seus hábitos"
“A formação de húmus através das ações das minhocas. Com observações de seus hábitos”
Em seus estudos ele tratou de observar diversos tipos de minhocas e realizou descobertas que contribuíram para o maior conhecimento destes fantásticos animais, como por exemplo:
  • São noturnos;
  • Podem rastejar para frente ou para trás;
  • Não possuem olhos mas podem distinguir a noite do dia e respondem rapidamente à qualquer raio de luz;
  • Respiram pela pele;
  • São hermafroditas, possuem os dois sexos em um mesmo indivíduo e precisam de um par para copular;
  • Podem viver durante um longo período debaixo d´água;
  • São sensitivos ao ar seco, calor, frio, vibrações e ao serem tocados;
  • Não possuem dentes e nem garras e são completamente surdos;
  • O seu sentido de cheiro é fraco e limitado à percepção de certos odores;
  • Eles são onívoros e preferem um gosto em detrimento de outro. Eles umedecem os alimentos antes de engolir com um fluido, o qual é da mesma natureza que a secreção digestiva do pâncreas de animais superiores.
  • Eles são canibais e podem comer minhocas mortas;
  • Podem sobreviver por um período limitado de tempo, por engolir solo e extrair seu conteúdo de nutrientes. Eles também podem engolir areia, pequenas pedras e fragmentos de concreto;
  • Eles escavam as tocas empurrando o solo para os lados e engolindo ;
  • Eles expelem os dejetos fora de suas tocas. Estes são completamente misturados com secreções intestinais e favorecem o crescimento de plantas;
  • Eles são comidos por aves;
  • Eles regularmente “aram” a terra e misturam o solo da superfície;
  • Eles apresentam alguma forma de inteligência, indicado pelo seu arrastamento de folhas da ponta e pela sua cobertura de suas tocas.
Fontes
Manual of On-Farm Vermicomposting and Vermiculture By Glenn Munroe Organic Agriculture Centre of Canada;
Crop Farm Review – www.cropsreview.com


FORNECEMOS MINHOCAS CALIFORNIANAS PARA O RIO GRANDE DO SUL , SANTA CATARINA E PARANÁ! CONTATE PELO EMAIL: agropanerai@gmail.com