Mostrando postagens com marcador #humus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #humus. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Adubo natural de Babosa , Aloe Vera


Os estudos científicos mais e mais apoio à utilização de aloe vera para tratar várias condições e doenças. Além disso, seu uso em cosméticos é bem estabelecida e gradualmente a ser introduzido como um ingrediente culinário. Mas esta planta é muito versátil e está provando a sua eficácia como fertilizante agrícola, que é muito interessante para as culturas organicamente exploradas.


É bastante lógico, considerando que aloe vera contém numerosos minerais e nutrientes que podem ser benéficos para as plantas.

A cooperativa Argentina Pergamino Aloe Vida realizou um estudo que demonstra a eficácia da aloe vera como um fertilizante estimulador e crescimento da cultura. Tudo começou com o conhecimento de um estudo realizado no laboratório de Plantas Medicinais de Doutor Juan Tomas Roig, em Havana, Cuba, em que a relação entre o uso de aloé vera como fertilizante e estimulação de crescimento e mostraram enraizamento. Após os estudos realizados e obtenção de dados favoráveis, a cooperativa comercializa atualmente o seu próprio adubo foliar aloe vera.

Adubo caseiro aloé vera
Mas para usar em casa aloe vera como um fertilizante natural basta ter um pedaço de aloe vera e fazer um esmagamento simples removendo os espinhos. 

Quando esmagada a folha, você obtém um gel esverdeada. Adicionar uma pequena quantidade deste em cada planta.Também pode ser diluído em água a uma taxa de 100 ml por litro de água e irrigar plantas.

fonte:http://aloevaro.blogspot.com.br/2014/01/el-aloe-vera-como-abono-ecologico.html

quarta-feira, 7 de junho de 2017

A troca de vaso, o húmus de minhoca e a abóbora de 10 quilos no telhado!

 Em dezembro de 2016 tive que trocar minha tamareira de jardim (Phoenix roebelinii O’BrienOrigem: Originária da China, região do Laos e Vietnam.

Descrição:

Palmeira de pequeno porte, pode atingir cerca de 3,0 metros de altura, lento crescimento, o que propicia seu cultivo em vasos. Tem o tronco fino, marcado pela inserção das folhas,dando aspecto de escamas grossas. As folhas são grandes, cerca de 1,20m, finamente pinadas de cor verde-escura, flexíveis, dando um aspecto delicado à planta, mas contém espinhos grandes.
Ela cresceu muito fazendo um emaranhado de raízes, troquei para uma vaso maior. Completei o vaso com húmus produzido em nosso minhocário caseiro, tantas vezes falado neste blog. Após alguns meses sementes presentes no húmus germinaram e delas surgiu uma muda de abóbora que subiu no telhado.
Agora em junho colhi esta abóbora (foto abaixo) com 10 quilos! E agora alguém duvida do poder do húmus??
Vamos fazer um doce de abóbora.
abraço








domingo, 4 de junho de 2017

COMO PLANTAR PIMENTA. CONSELHOS PRÁTICOS, FÁCEIS E COMPLETOS

fonte; greenme.com.br

  • por Alice Branco
Como plantar pimenta
São 5 as espécies mais cultivadas de pimenta do gênero Capsicum - aquelas que são, na verdade, pimentões mais ou menos ardidos. Existem no entanto mais de 27 espécies mas, nem todas são isentas de risco para nossa alimentação. Muitas também são as variedades híbridas disponíveis. Vamos dar uma olhada para saber quais são os cuidados que devemos ter para cuidar de uma pimenteira.

As 5 espécies mais cultivadas são as seguintes:

1. Capsicum annuum

pimenta japapenha
Foto Pimenta-japapenha
A mais cultivada de todas. Aqui estão os pimentões doces (que não têm capsaicinoides nos frutos e, portanto, não são ardidos), a pimenta-caiena, a jalapenha, a thai, a pimenta banana, a pimenta-chiltepin, a guajillo, a shishito ou pimenta-japonesa, a peperoncino ou peperoncini, a Peter pepper, a pimenta-serrano e a pimenta-mulato, todas variedades criadas desta mesma espécie. Cada qual tem seu índice de ardência.

2. Capsicum baccatum

pimenta dedo de moca
Foto Pimenta dedo-de-moça
Esta espécie possui flores brancas cujas pétalas são amareladas ou esverdeadas. Nesta espécie estão as pimentas dedo-de-moça, cambuci, cumari, pimenta-pitanga e a Lemon drop.

3. Capsicum chinense

pimenta biquinho
Foto Pimenta biquinho em vaso de 5 litros
Os frutos desta espécie têm odor característico e são as pimentas mais picantes, de maior índice de ardência, que se conhecem. Nela se incluem as pimentas murupi, pimenta-de-cheiro, pimenta-de-bode, a biquinho e as pimentas híbridas Habanero, Bhut Jolokia ou Naga Jolokia, Trinidad Scorpion, Scotch bonnet e Fatalii.

4. Capsicum frutescens

capsicum rutescens
Foto pimenta-tabasco
São pimenteiras cujos frutos, as pimentas, crescem erectos e inclui a pimenta-malagueta e a pimenta-tabasco.

5. Capsicum pubescens

capsicum pubescens
Foto rocoto
Nestas pimenteiras as folhas são cobertas de pelos e as sementes são escuras. Esta espécie de pimentas é bastante difícil de se cultivar. Inclui as variedades Rocoto e Manzano.
Também existe uma grande diversidade de híbridos entre as espécies descritas porém, são cultivadas somente para uso local, sem componente comercial em sua produção assim como, algumas pimentas que estão relacionadas com fatores e usos culturais, por serem de existência endêmica.

Do que a pimenteira gosta?

Temperatura

Pimenteiras são espécies tropicais e subtropicais, originárias do continente americano e, portanto, disponíveis em uma faixa de temperatura bastante ampla - entre os 16ºC e os 34ºC podem ser cultivadas. Mas, com certeza, as pimenteiras vão se dar melhor na faixa mediana dos 26ºC, sem variações abruptas.
Pimenteiras não suportam geadas nem mudanças bruscas de temperatura.

Umidade

Algumas variedades precisam de um clima úmido constante - este é o caso da pimenta Habanero e da Scotch bonnet e outras gostam de um clima mais seco, como a Jalapenha e a Caiena.

Luminosidade

Toda pimenteira gosta de alta luminosidade e, de preferência, com sol direto tantas horas quantas tenha de direito. Afinal, pimenteiras são plantas do nosso continente, o mais iluminado de todos.

Solo

Pimenteira não suporta solo pesado então, cuide de que seu vaso esteja bem drenado, com uma mistura de solo fértil, rico em matéria orgânica e leve, bem estruturado (areia e lascas de madeira são uma boa opção). O pH do solo pode até ser um pouco ácido já que as pimenteiras se dão bem entre os 5 e os 8 graus (Capsicum annuum - pH entre 6 e 7,5 - e as Capsicum chinense - pH entre 5 e 6

Rega

Pimenteira precisa ser regada com frequência de forma a que a terra do vaso se mantenha úmida (sem encharcar pois esse fator matará sua planta).
germinação das pimenteiras
Foto Germinação das pimenteiras

Semear

Escolha as sementes de pimenteira que vai querer plantar e, mãos à obra:
1. semeie direto no lugar definitivo, na superfície do solo e recobrindo, levemente, as sementes, com terra solta
2. ou semeie em copinhos, ou na bandeja de germinação, que ficará mais fácil para você cuidar das suas mudinhas
3. mantenha o solo permanentemente úmido (controle a evaporação cobrindo as sementes com filme plástico, por exemplo)
4. a germinação ocorre em até 15 dias da semeadura e o transplante,para o local definitivo, deverá ser feito quando as mudinhas atingirem os 10 cm de altura.
5. cada pimenteira precisará de espaço lateral para se espalhar - deixe de 20 a 60 cm entre cada muda, dependendo da variedade que for semear e, entre linhas, de 60 a 120 cm (para quem vai fazer um cultivo maior do que os vasos da varanda, claro)
pimenta biquinho 2
Foto Pimenta biquinho

Tratos culturais

Assim chamamos aos cuidados rotineiros que devemos ter com as plantas que queremos cultivar:
1. retire as outras ervas do vaso da sua pimenta para que não haja comprometimento nutricional
2. algumas pimenteiras podem tombar com os frutos então, ponha tutores, como nos tomateiros
3. ao colher pimentas tenham cuidado com olhos, nariz e boca pois, sua ardência ficará nas mãos (use luvas, é o melhor conselho que lhe posso dar)

Colheita

Você poderá colher suas pimentas entre 80 a 150 dias após a germinação. A pimenteira é uma planta perene de vida curta que, em boas condições, poderá produzir por alguns anos. Nos cultivos comerciais esta planta é tratada como anual, por razões econômicas.
diversidade de pimentas
Foto Diversidade de pimentas que se podem cultivar em casa
Veja o vídeo abaixo:

E depois da colheita?

Bem, aí começa outra parte da história das pimentas vermelhas do gênero Capsicum. Cada espécie é usada de uma maneira diferente, relacionada com os conhecimentos ancestrais dos povos de onde é originária. Algumas pimentas se secam, outras são moídas até virarem pó, muitas vão para as conservas e algumas até para as geleias, como é o caso da Pimenta Biquinho, suave, doce e saborosa.
conserva de pimenta biquinho
Foto Conserva de Pimenta Biquinho
Todas as pimenteiras são esteticamente bonitas, não tenho dúvidas porém, eu adoro a Biquinho, em todos os sentidos e, principalmente, sua geleia doce, que vai bem em muitas receitas até como tempero. Algumas boas receitas para o uso da pimenta biquinho você pode ver aqui assim como outras informações técnicas específicas sobre as pimentas artesanais.
Uma curiosidade não menos importante é que, para nós brasileiros a pimenteira é uma planta de proteção, contra o mal olhado, claro! E, porque isso é importante? Porque nossa cultura ancestral, oriunda de portugueses, negros e indígenas, acredita que as plantas podem barrar as energias maléficas que nos são direcionadas - ou seja, esta crença faz parte da nossa verdade de ser.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Livro digital gratuito ensina a plantar, colher e preparar deliciosas refeições em casa


Fonte: blog somos verdes

Redescubra as verdadeiras nuances da comida com o livro “Sabores da Horta – do plantio ao prato”, publicado pela Codeagro (Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios), da Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo. Este material traz dicas práticas para confeccionar uma horta de temperinhos em qualquer espaço da casa, além de receitas viáveis para o cotidiano ou mesmo para surpreender as visitas no almoço de domingo.
Manter uma horta em casa, mesmo que pequena, é simples e para muitos remete a nostalgia das casas dos pais e avós. Se você tem crianças pequenas em casa, aproveite para envolvê-las nesta gostosa atividade. Assim, elas vão crescer mais saudáveis e conscientes. A manutenção, ainda que diária, costuma ser rápida, bastando manter o contato com a luz e a irrigação. No livro, estão listados os temperos mais comuns e fáceis de cultivar com suas particularidades, como valores nutricionais e épocas corretas para o plantio. A maioria deles fica pronto para compor seus novos pratos em questão de poucos meses.
Imagem: Reprodução/Divulgação – Sabores da Horta – do plantio ao prato
As receitas disponibilizadas no livro, além de saudáveis, são versáteis e surpreendentes. Que tal um jantar para os amigos com uma tilápia assada à provençal? Ou inserir o pão de ervas no café da manhã? Utilizar ingredientes que você mesmo cultivou é mágico, pois agrega o valor sentimental ao prato. Como diz o ditado, cozinhar também é um modo de amar os outros.
Gostou? Resgate o contato com a natureza e diga adeus aos maus hábitos alimentares, evitando futuros problemas de saúde e tornando seu paladar muito mais apurado. Baixe o livro gratuitamente clicando aqui.
Obs: O Arquivo está em PDF e pode demorar um pouco para carregar.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

: Hortas comunitárias se popularizam cada vez mais em Berlim!

Agricultura Urbana

Seja no telhado de um shopping, seja em um antigo aeroporto, as hortas estão se espalhando por Berlim. Cada vez mais, moradores trabalham a terra para cultivar tomates, batatas e… vínculos sociais, em uma cidade onde ainda parece haver espaço para tudo.
Alguns agriões esmirrados resistem bravamente às chuvas e aos fortes ventos que varrem as pistas de aterrissagem de um aeroporto fechado em outubro de 2008 e transformado em um amplo parque para os berlinenses.
Quando chega o bom tempo, pepinos, aipos e manjericão crescem à sombra dos girassóis nesse jardim comunitário. Recentemente, uma colmeia instalada no meio dos pequenos lotes começou a produzir o primeiro mel a levar o selo do antigo aeroporto de Tempelhof.
De dia, carrinhos de mão e mangueiras são usados a todo vapor nas matas de ervas aromáticas. Ao anoitecer, amigos brindam com cerveja para celebrar o espírito coletivo e a amizade.
“Allmende Kontor” e o vizinho “Rübezahl Garten” são duas das inúmeras hortas que cresceram como grama na capital alemã. No bairro popular de Wedding, uma associação planeja instalar cultivos de cenouras e morangos no telhado de um supermercado local.
“Trata-se de cultivar hortaliças e também de participar de um projeto coletivo, de fazer coisas juntos. É um lugar onde todo mundo participa”, explica Burkhard Schaffitzel, um dos iniciadores do “Rübezahl Garten”.
“As pessoas vêm de todos os horizontes, de imigrantes turcos a estudantes, passando por aposentados”, conta Gerda Münnich, uma entusiasta da “Allmende Kontor”.Resultado de imagem para “Allmende Kontor”
Esse é exatamente o segredo do sucesso. Sua horta já conta com cerca de 300 “arrendatários” e tem uma lista de espera de mais de 200 pessoas. Os responsáveis pelo jardim pagam 5.000 euros por ano à Prefeitura para utilizar seu pedaço de terra e fazem apelos por doações para manterem a iniciativa.
Legumes e verduras crescem em baldes e caixas de madeira, porque a Prefeitura não permite as plantações diretamente no solo no antigo aeroporto. Alguns optaram pela originalidade. Sapatos usados, mochilas, ou até uma velha cadeira de escritório: vale tudo para garantir seu espaço na horta.
Horta, um lugar de socialização A escolha pela jardinagem cria um estilo de vida e, ao redor dela, surgem “pequenos lugares”. O mecânico de bicicletas “Ismael” oferece seus serviços em um reboque velho e amassado, instalado no terreno, enquanto uma “praça do povo”, no centro do jardim, permite que a comunidade possa assar salsichas quando o grupo organiza festas.
“A horta não é apenas um lugar dedicado a uma atividade de auto-subsistência, mas um lugar de socialização”, explica a socióloga alemã Christa Müller, que escreveu um livro sobre o “urban gardening” (agricultura urbana, em tradução livre).
O fenômeno é internacional. Desde seu início nos bairros pobres de Nova York, já foram criadas hortas comunitárias em Paris, Montreal e outras cidades. Na capital alemã, houve um empurrão muito particular: a reunificação da cidade, após a queda do Muro no final de 1989, que dividiu Berlim por 28 anos. A mudança deixou uma grande quantidade de espaços vazios e abandonados.
“Londres e Paris estão saturadas. Aqui ainda temos lugar para plantar verduras”, comemora Schaffitzel.
Para muitos, criar uma horta coletiva também é uma iniciativa cidadã. “Fazemos política no meio das alfaces”, brinca Gerda Münnich, que, depois de passar sua carreira diante das telas dos computadores, decidiu se dedicar às abóboras e aos repolhos.
“É se apropriar um pouco da cidade. É participar da decisão coletiva. Esse pequeno terreno que eu cultivo é um pedacinho da cidade que me pertence”, diz ela, com orgulho.
Para a socióloga Christa Müller, esse movimento é uma espécie de contrapeso à sociedade neoliberal.
Esses novos urbanos “ficam felizes de produzir algo eles mesmos, no lugar de encher o carrinho no supermercado”, considera Burkhard Schaffitzel, do “Rübezahl Garten”.
Fonte:http: www.ecodebate.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Adubação: dicas espertas para você!!

Fonte: jardineiro.net

Existem fertilizantes para cada momento e tipo de planta do seu jardim, horta ou pomar. Conheça-os e saiba utilizá-los na hora certa para o máximo desempenho das suas plantas. Foto de  UGA College
Existem fertilizantes para cada momento e tipo de planta do seu jardim, horta ou pomar. Conheça-os e saiba utilizá-los na hora certa para o máximo desempenho das suas plantas. Foto de UGA College
1. Faça a adubação quando as plantas necessitam dos nutrientes e seja específico com suas necessidades. Durante o crescimento, dê atenção à quantidade equilibrada de nitrogêniofósforo e potássio, para um crescimento vigoroso. Já em momentos como floração e frutificação, leve em consideração a redução do nitrogênio e o aumento de fósforo e potássio, importantes nessa fase.
2. Evite adubar as plantas quando elas entram em dormência, por dois motivos: Elas pouco aproveitam os fertilizante, já que seu crescimento estará naturalmente estagnado, e você evita de colocar dinheiro fora. Mas Raquel, quando as plantas entram em dormência? Geralmente no período frio ou no período seco. Algumas espécies resolvem ser ativas no inverno, florescendo ou frutificando, como algumas orquídeas, a flor de maio, etc. Use a regra geral, mas não esqueça de conhecer as individualidades de cada espécie.
3. Não negligencie a calagem. A correção do pH é primordial para que as plantas possam absorver os fertilizantes do solo. De nada adianta colocar litros de adubo em um solo excessivamente ácido. A absorção será pequena e você vai perder muito dinheiro, já que muitos fertilizantes são rapidamente perdidos para o ambiente. Por isso, antes da implantação e na manutenção de jardins, hortas e pomares, solicite a análise de solo. Ela lhe dá o diagnóstico correto do estado atual do solo, em termos de fertilidade e características físicas, além da necessidade de calcário.
4. Na praia e em outros solos arenosos, acostume-se a fertilizar com mais frequência. Isso acontece por os nutrientes percolam com mais facilidade neste tipo de solo, assim você os perde mais rapidamente para o ambiente.
A flor-de-maio está a todo vapor no inverno. Florescendo com esplendor. Não deixe de fertilizá-la nesta fase. Foto de  Björn Sahlberg
A flor-de-maio está a todo vapor no inverno. Florescendo com esplendor. Não deixe de fertilizá-la nesta fase. Foto de 
Björn Sahlberg
5. A adubação de base pode ser a diferença entre o sucesso e fracasso do plantio e transplante. Enriquecer o solo com uma boa quantidade de matéria orgânica, como esterco de curral bem curtido, e nutrientes próprios para um perfeito desenvolvimento das raízes, como fósforo e potássio, fazem toda a diferença no vigor inicial da planta muitas vezes no seu desenvolvimento final. Deixe para colocar as doses maiores de nitrogênio quando a planta já estiver bem estabelecida, dando sinais de crescimento. Nitrogênio na base pode ser utilizado, mas preferencialmente com adubos de liberação lenta e em quantidades modestas. A chance dele queimar as raízes feridas durante o transplante e as delicadas raízes em formação são grandes.
6. Jamais deixe faltar água às plantas durante o período subsequente à adubação. Elas tendem a acumular os sais dos fertilizante e podem se desidratar facilmente. Irrigando bem, você previne sérios danos às plantas.
7. A adubação ideal é aquela que é gradual e de acordo com a fase da planta, em termos de quantidade e qualidade de nutrientes. No entanto, geralmente os adubos de liberação lenta são caros e sua compra pode ser inviável. Aproveite a capacidade que as plantas tem de armazenar nutrientes em seus tecidos, como o nitrogênio por exemplo e lembre-se disso quando foi fertilizar hortaliças. Não adube se já estiver pensando na colheita. Os altos níveis de nitrogênio acumulados podem ser prejudiciais à saúde de quem consumir folhas e frutos.
8. Sempre aplique os fertilizantes em dose menor ou igual à indicada na embalagem do produto. Principalmente se eles forem adubos ricos em nitrogênio, como uréia, estercos, ou NPK 10-10-10, por exemplo. É muito comum as plantas murcharem e morrerem da noite para o dia, devido à aplicação excessiva de adubos.
9. Os dias nublados são os melhores para fertilizar as plantas. Evita-se a ação do sol intenso sobre as plantas, que ficam sensibilizadas e perde-se menos nitrogênio por volatilização. Da mesma forma, os dias chuvosos provocam grandes perdas de nutrientes, que são carregados pela água.
Um pomar bem nutrido produz em abundância e é mais resistente a doenças. Foto de  Jon RB
Um pomar bem nutrido produz em abundância e é mais resistente a doenças. Foto de Jon RB
10. Jamais utilize estercos frescos ou mal curtidos, assim como restos de alimentos, cascas, diretamente sobre o solo. A fermentação destes materiais produz substâncias que são muito prejudiciais às plantas, podendo queimar a apodrecer raízes e colo. Faça sempre a compostagem destes materiais antes de utilizar, para evitar este tipo de problema e aproveitar melhor os ricos nutrientes que eles contém.
11. A fertilização mal calculada, seja em excesso ou aplicada em dias impróprios, não é somente um desperdício de dinheiro. Os nutrientes perdidos para o ar por volatilização são prejudiciais à camada de ozônio. Da mesma forma, os que são carregados pela água da chuva e regas, podem percolar até os lençóis subterrâneos e contaminar importantes fontes de água potável. Além disso, ainda é bastante comum que cheguem aos cursos de água, como lagos e rios, e provoquem a eutrofização, por crescimento exagerado de algas e plantas aquáticas.
Foto de Samuel
Foto de Samuel
Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Húmus líquido, alternativa de adubação para hortaliças e frutas!

Fonte: GLOBO RURAL RESPONDE FERTILIZANTES 04/03/2011

por Ricardo Grilo, Teresina, PI

Manoel Marques
O fertilizante líquido pode ser preparado na propriedade, a partir da mistura de húmus de minhoca com água
Uma dificuldade apontada por produtores na realização de adubações orgânicas em pós-plantio ou em cultivos com cobertura morta é o aparecimento de plantas invasoras. Elas surgem espontaneamente devido às sementes presentes no esterco, principalmente quando são provenientes de áreas infestadas. 

Como opção para evitar a disseminação das plantas invasoras, um novo produto para adubar canteiros de hortaliças e frutas foi desenvolvido pela Embrapa Clima Temperado. Trata-se de um húmus elaborado na versão líquida, que atende, sobretudo, horticultores que preferem cultivar alimentos com uso de adubos orgânicos. Com alto valor nutricional e biológico, ele é econômico, fácil de preparar e pode ser produzido na propriedade rural. 

O fertilizante natural nada mais é que o húmus de minhoca, mas com a diferença de contar com a adição de água em sua composição. O líquido originado da mistura de água com o composto também possui nutrientes e ácidos orgânicos que estimulam o crescimento e desenvolvimento das plantas, além de diversos micro-organismos. 

Embora possa ser feito com húmus sólido recém-produzido no minhocário, o mais recomendável é utilizar o material que está pronto e armazenado há dois ou três meses. Isso porque a melhor qualidade química do húmus é atingida quando ele já está estabilizado. 
DICAS IMPORTANTES | Veja como obter melhor resultado do composto
COMO FAZER 
O húmus líquido é preparado com água (preferencialmente sem cloro) e húmus de minhoca em uma proporção de 10%. Para produzir 100 litros de húmus líquido, por exemplo, são necessários 20 quilos de húmus sólido. Como a massa do húmus de minhoca apresenta umidade que varia entre 50% e 60%, 20 quilos do material correspondem a entre oito e dez quilos de matéria seca, sendo o restante de água. 

Em um recipiente com capacidade suficiente para o preparo da solução, coloque o húmus de minhoca e adicione a água, misturando vigorosamente. Uma vez a cada 24 horas, durante dois ou três dias, repita a operação mexendo a solução por cerca de um minuto, para que os nutrientes sejam liberados na água. No dia anterior à utilização, não agite o húmus líquido, para que as partículas sólidas em suspensão se depositem no fundo do recipiente. 

Faça filtragem para separar as partículas mais finas que permanecem em suspensão na parte líquida. Use filtros de areia ou de discos. A mistura também pode ser filtrada manualmente com um tecido fino, como uma meia de nylon, acoplado a um suporte, que pode ser feito a partir de uma garrafa plástica cortada nas extremidades. Os resíduos retidos podem ser reunidos ao material mais pesado que ficou no fundo do recipiente. Apesar de não possuir as propriedades originais do húmus sólido, esse lodo ainda pode ser usado como fertilizante de solo. 

COMO PULVERIZAR 
Após a filtragem, e já dotado dos elementos nutricionais, o húmus líquido pode ser aplicado em hortaliças por meio de equipamentos que misturam o fertilizante à água de irrigação. Faça irrigações pelo sistema de gotejamento com uso de um injetor venturi. Em um desvio adaptado, o equipamento faz a sucção da solução de húmus líquido do recipiente misturando-o à água de irrigação, que será distribuída por mangueiras em cada planta. 

Outra alternativa é a pulverização foliar, que pode ser realizada por meio de um aparelho que se ajusta às costas do aplicador, conhecido como pulverizador costal. O sistema, no entanto, não é recomendado para uso em hortaliças folhosas como alface, repolho e rúcula nem em frutos de consumo in natura, como morango ou tomate. 
CONSULTOR: Gustavo Schiedeck, pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Caixa Postal 403, tel. (53) 3275-8199, sac@cpact.embrapa.br 
MAIS INFORMAÇÕES: Comunicado Técnico 195 “Preparo e uso de húmus líquido: opção para adubação orgânica em hortaliças”, Gustavo Schiedeck, José Ernani Schwengber, Márcio de Medeiros Gonçalves e Greice de Almeida Schiavon, pesquisadores da Embrapa Clima Temperado 
Temas relacionados

domingo, 23 de abril de 2017

COMO FAZER HORTA E POMAR ORGÂNICO

Fonte: http://www.recriarcomvoce.com.br/blog_recriar/

Agricultura Orgânica
Agricultura orgânica é o sistema de produção que não usa fertilizantes sintéticos, agrotóxicos, reguladores de crescimento ou aditivos sintéticos para a alimentação animal. O manejo na agricultura orgânica valoriza o uso eficiente dos recursos naturais não renováveis, bem como o aproveitamento dos recursos naturais renováveis e dos processos biológicos alinhados à biodiversidade, ao meio-ambiente, ao desenvolvimento econômico e à qualidade de vida humana.
Na agricultura orgânica os processos biológicos substituem os insumos tecnológicos. Por exemplo, as práticas monoculturais apoiadas no uso intensivo de fertilizantes sintéticos e de agrotóxicos da agricultura convencional são substituídas na agricultura orgânica pela rotação de cultura, diversificação, consórcios, entre outras práticas.
Esta prática agrícola preocupa-se com a saúde dos seres humanos, dos animais e das plantas, entendendo que seres humanos saudáveis são frutos de solos equilibrados e biologicamente ativos, adotando técnicas integradoras e apostando na diversidade de culturas.
Para tanto, apóia-se em quatro fundamentos básicos:
  • Respeito à natureza: reconhecimento da dependência de recursos naturais não renováveis;
  • A diversificação de culturas: leva ao desenvolvimento de inimigos naturais, sendo item chave para a obtenção de sustentabilidade;
  • O solo é um organismo vivo: o manejo do solo propicia oferta constante de matéria orgânica (adubos verdes, cobertura morta e composto orgânico), resultando em fertilidade do solo; e
  • Independência dos sistemas de produção: ao substituir insumos tecnológicos e agroindustriais.
O Brasil está se consolidando como um grande produtor e exportador de alimentos orgânicos, com mais de 15 mil propriedades certificadas e em processo de transição – 75% pertencentes a agricultores familiares.
A legislação para produtos alimentícios, que dispõe sobre a agricultura orgânica, é a Lei n. 10.831/03 e o Decreto n. 6.326/07.
Perigos dos agrotóxicos
O consumo constante de alimentos contaminados por aditivos químicos oferece diversos riscos à saúde, promove a degradação do solo, a contaminação da água e, até mesmo, do ar. Segundo dados da “Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida”, os fertilizantes artificiais e agrotóxicos ocupam o quarto lugar no ranking de intoxicações e só perdem para picadas de animais peçonhentos e intoxicações com produtos de limpeza.
Entre os problemas ocasionados pela ingestão diária de pesticidas, herbicidas e fertilizantes artificiais, é possível identificar a infertilidade masculina, reações alérgicas e diversos distúrbios, entre eles, os respiratórios, cardíacos, pulmonares, endócrinos e do sistema imunológico, entre outros.
Alternativas ao Uso de Agrotóxicos
  • Besouros: coloque chá de arrudas misturado com óleo mineral emulsionável.
  • Formigas: plante gergelim próximo à horta ou observe enquanto as formigas levam as folhas cortadas, o local exato do formigueiro e, então, tampe sua abertura.
  • Fungos: pulverize com chá de cebola picada bem miúda.
  • Grilos: plante tajete (flor de defunto amarelinha) perto de sua horta.
  • Lesmas e caracóis: corte pedacinhos de batata crua, abóbora ou chuchu, salpique com bastante sal e, durante a noite, espalhe-os nos locais infestados.
  • Mariposas e lagartas: plante alecrim, menta, losna ou sálvia e faça uma catação manual.
  • Moscas, pernilongos ou mosca branca: Plante citronela, amasse as folhas e bata para o cheiro evaporar. Também pode-se aquecer em água, ou ainda, usar uma colher (de sopa) de essência de citronela para um litro de água.
  • Pulgões, cochonilhas e grilos: ferva em água fumo de rolo com restinhos de sabão. Depois é só pulverizar a mistura.
Poderá tam