Mostrando postagens com marcador bananeira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bananeira. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

A IMPORTANTE PRÁTICA DA DESFOLHA EM BANANAL. EMBRAPA







Desfolha do Bananal
Marcelo Bezerra Lima

A prática cultural conhecida como desfolha do bananal consiste na eliminação de folhas que,
por algum motivo, não estão mais sendo úteis à planta. Assim, devem ser eliminadas:

1) Folhas que não têm mais função para a planta.
2) Folhas totalmente amareladas ou secas.
3) Folhas que podem causar danos aos frutos, como deformações e/ou ferimentos.
4) Folhas inteiras ou em partes, que apresentam sintomas de mal-de-Sigatoka ou cordana.
5) Folhas que apresentam o pecíolo quebrado.


Em plantas de porte baixo, a eliminação dá-se com auxílio de uma faca, cortando-se as folhas na
base do pecíolo, bem junto ao pseudocaule, com o devido cuidado para não afetar as bainhas a
ele aderidas. Nas bananeiras de porte médio ou alto, repete-se a operação, utilizando-se foice
bifurcada ou penado, acoplado a uma haste, cuja altura possibilite a operação. O corte deve ser
sempre realizado de baixo para cima, evitando-se puxões para baixo, com conseqüente danos à
bainha foliar. As figuras 1 e 2, respectivamente, apresentam aspectos de um bananal sem uso
da desfolha, e com uso efetivo dessa prática de cultivo.

Um outro tipo de desfolha é a fitossanitária, a qual deve ser realizada a cada 14 dias, como
estratégia de controle para manter sempre baixo o nível de doenças nas folhas. Essa operação
reduz a quantidade de sintomas pela eliminação de folhas doentes, constituindo-se numa prática
rotineira em áreas de ocorrência de mal-de-Sigatoka.
Todo resto cultural proveniente da desfolha, do desbaste ou da colheita, inclusive os pseudocaules
ou troncos de plantas já colhidas, devem ser picados ou triturados e espalhados pelo bananal.
Em atendimento às Normas Técnicas Para a Produção Integrada de Bananas – PIB, fica proibida a
eliminação de bainhas foliares aderidas ao caule, assim como o acúmulo de restos culturais junto
às touceiras. Como medida preventiva, considera-se obrigatório a desinfecção de ferramentas,
utilizadas em bananais, em áreas de ocorrência de bacterioses.

Principais benefícios da realização da desfolha na época certa:


1) Elimina folhas cuja atividade fotossintética não correspondem aos requerimentos fisiológicos
da planta.
2) Proporciona melhores condições de arejamento e luminosidade do bananal.
3) Proporciona maior rapidez no desenvolvimento dos rebentos.
4) Proporciona maior controle de pragas que utilizam as folhas como refúgio ou fontes de
inóculo.
5) Proporciona melhorias no solo pela deposição de restos culturais.



1Engo Agro, M.Sc., Pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Rua Embrapa, S/N, Caixa Postal 007, CEP 44380-000 Cruz das Almas-BA. mlima@cnpmf.embrapa.br

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Bananeiras e Taiobas transformam esgoto em água limpa



baciaOs chamados “Jardins Filtrantes” têm sido implementados em vários locais do planeta para tratar o esgoto e despoluir a água. O programa Cidades e Soluções, da Globo News, divulgou várias experiências, nacionais e internacionais 
Com ideias criativas é possível tratar os resíduos de residências, de comunidades e de indústrias, utilizando-se técnicas e plantas específicas que são poderosas aliadas para a despoluição das águas.


Conheça a experiência de Embu das Artes!

Em Embu das Artes, casal usa criatividade e aposta em sistema alternativo para tratar o esgoto – a evapotranspiração

Tudo começou com um sonho: morar em Embu das Artes! A casa, cercada pela exuberância da Mata Atlântica, parecia perfeita. Bruno Cavalcante e Silvana Ribeiro descobriram logo que a casa tinha problemas, a fossa estava vazando! “Água preta, bichos, moscas, esse esgoto infiltrando na terra e escoando por cima. Na primeira noite nós já deitamos no travesseiro com a cabeça quente... Precisamos resolver essa questão”, conta Cavalcante.
Para solucionar o problema o casal buscou alternativas que não agredissem o meio ambiente, pois o local não possui rede coletora de esgoto. Chamaram amigos profissionais em permacultura para decidir o melhor caminho e juntos indicaram a Bacia de Evapotranspiração para o tratamento do esgoto doméstico – uma solução simples, de fácil implementação e custo bastante acessível, onde se reutilizam entulhos e outros materiais como pneus. 

“A Bacia de Evapotranspiração é uma caixa impermeabilizada que une diferentes sistemas num mesmo espaço: a fossa, o filtro anaeróbico e uma área de evapotranspiração formada com plantas que potencializam a capacidade de evaporar, geralmente a bananeira e a taioba, plantas de folhas largas que possuem raízes rasas”, explica Guilherme Castagna, engenheiro civil e permacultor.
Cavalcante e o grupo de permacultores, empenhados em resolver o problema de forma educativa e formar multiplicadores de ideias sustentáveis, aproveitaram os conhecimentos e organizaram um Curso Teórico e Prático de Manejo Sustentável das Águas. Contaram com o apoio e parceria de diversos grupos: Humana Terra, Livraria Tapioca, Condomínio Meu Recanto, Sítio São Francisco, Grupo Solares, Rodoareia Materiais de Construção e a Sociedade Ecológica Amigos de Embu (SEAE). 

O curso foi ministrado por vários profissionais da área, durante dois dias, abordando temas relacionados à situação hídrica da cidade de São Paulo com foco no tratamento das águas servidas, o esgoto. Os participantes puseram a mão na massa e aprenderam como se constrói a Bacia de Evapotranspiração. O curso ainda rendeu um vídeo, “Chega de Fossa”, disponível em http://www.youtube.com/watch?v=HQMgotBb7FQ, onde são apresentadas todas as etapas do processo.

“Os resultados são excelentes, o sistema funciona de forma eficiente por muito tempo, sem entupir”, afirma Léo Tannous, engenheiro ambiental. Ribeiro ficou muito feliz com o resultado, “nós não sentimos nenhum odor. Realmente é uma tecnologia que recomendamos para todas as pessoas que moram em locais onde ainda não tem o saneamento básico, pois todas as águas que antes estavam poluindo o nosso jardim, hoje vão para o ar”, finaliza.

Indaia Emília - Assessoria de Comunicação SEAE